Linhas Completas de Extrusão

Linhas Completas de Extrusão

Extrusão de Filme Tubular

Esse processo é igual a qualquer processo de extrusão até a Matriz. A matriz é um cilindro vertical com uma abertura circular semelhante a uma matriz de tubo. O diâmetro pode ser de alguns centímetros até maior que três metros. O plástico fundido é soprado para cima a partir da matriz por um par de rolos de estreitamento (4 metros a 20 metros ou mais, dependendo da quantidade de resfriamento necessário). Alterando a velocidade desses rolos irá mudar a espessura da parede do filme. Em torno da matriz fica um anel de ar. O anel de ar esfria o filme enquanto ele viaja para cima. No centro da matriz existe uma tomada de ar a partir da qual o ar comprimido é forçado a entrar no centro do perfil extrudado tubular, criando uma bolha. Isso expande a seção transversal circular por uma razão (um múltiplo do diâmetro da matriz). Essa relação, chamada de “Blow-up Ratio” pode ser apenas uma pequena porcentagem até mais de 200% do diâmetro original da matriz. Os rolos achatam a bolha em uma dupla camada de filme, cuja largura (o chamado “layflat”) é igual a ½ da circunferência da bolha. Este filme pode ser enrolado ou impresso, cortado em formas e selado a quente em outros sacos ou podem ser fabricados outros itens.

 

Extrusão Plana – Cast

Extrusão Plana é um processo de produção contínuo onde o material é forçado através de uma matriz plana (Flat Die) adquirindo assim a forma pré determinada, que nesse caso é um filme ou chapa. A diferenciação entre filme e chapa se dá basicamente devido à espessura. Podemos considerar filme, webs com espessuras extremamente finas (µ – microns) e consistência flexível enquanto chapa, webs com espessuras a partir de 0,15 mm e consistência rígida.

O processo de Extrusão Plana começa com a alimentação de resina no funil da extrusora, o material é fundido e transportado pela rosca da extrusora e à frente existe uma matriz plana que determina a forma pré determinada. Entre Extrusora e Matriz Plana pode existir diversos periféricos de extrusão como, por exemplo, Troca-Telas e Bomba de Engrenages que são utilizados para melhorar a qualidade do produto final. Como na maioria dos processos de extrusão, os equipamentos subsequentes são determinados dependendo da aplicação e produto final, segue abaixo alguns exemplos.

Para produtos como chapa, o resfriamento é realizado através da passagem do Chapa (Web) por um conjunto de 3 a 4 cilindros de resfriamento com diâmetros até 500 mm. Enquanto que para filme é utilizado um cilindro de diâmetro superior a 600 mm. Processos muito rápidos criam uma condição indesejável chamada “nervo” – que é basicamente um tempo de contato inadequado para dissipar o calor presente no plástico extrudado. Na extrusão de chapas, estes cilindros resfriam o material, determinam a espessura e textura da superfície da chapa (no caso de rolos texturizados). Muitas vezes a co-extrusão é usada para aplicar uma ou mais camadas para obtenção de propriedades específicas, tais como absorção UV, maciez ou “aspereza”, superfície fosca ou reflexão de energia.

Revestimento por Extrusão & Laminação

Esses processos visam melhorar as características de um dado produto, por exemplo: aumentar a espessura e a rigidez, servir de barreira à umidade, resistência a gordura, aumento da resistência (proteção), melhoria de aparência, entre outras. Isso é realizado através da aplicação de um material sob um substrato e pode ser feito de diversas maneiras. Hoje em dia podem ser utilizados diversos produtos (ex.: PE, HotMelt, Adesivos, etc.) para revestir diversos substratos (ex.: papel, papelão, BOPP, BOPA, poliéster e outros filmes plásticos, chapas, tecidos e mantas de fibra de vidro, etc.) visando, por exemplo, a fabricação de embalagens de alimentos e bebidas como leites longa vida e extrato de tomate.

Existe uma infinidade de aplicações.

  • Revestimento por Extrusão: É a aplicação de uma camada de material fundido sob um substrato. A resina é fundida e forçada através de um cabeçote de extrusão plano (Matriz Plana) que realiza a aplicação do material uniformemente sobre um rolo de substrato continuamente em movimento que então passa através de um estreitamento constituído por um rolo de pressão coberto de borracha e um rolo de resfriamento cromado. O último esfria o filme de fundição de volta para o estado sólido e também dá o acabamento desejado para a superfície de plástico. Por último, o produto final é rebobinado. Essa é uma técnica de revestimento versátil para aplicação econômica de diversos materiais plásticos. Existem variações de processo para processo.
  • Laminação: É a aplicação de uma camada de material líquido sobre um substrato em movimento através de um sistema de rolos onde é realizada a aplicação de adesivos, vernizes, primers, etc. É um processo muito similar ao Revestimento por Extrusão e também existem variações de aplicação para aplicação.

Tubo, Perfil, Fios e Cabos

Esses processos são similares a quaisquer processos de extrusão até a matriz. A matriz e todos os equipamentos subsequentes dependerão do produto (Tubo, Perfil, Fios e Cabos) e da aplicação final, sendo muito complicado generalizar. Vejam abaixo alguns exemplos:

O processo de extrusão de tubos, tais como canudinhos e tubos médicos, acontece como qualquer processo de extrusão até a matriz. Os perfis ocos são geralmente extrudados, colocando um pino ou mandril dentro da matriz e, na maioria dos casos, com pressão positiva aplicada às cavidades internas através do pino.

Tubulação com múltiplos furos (buracos) deve ser feita para aplicações especiais. Para estas aplicações, a ferramenta é feita colocando mais de um pino no centro da matriz, para produzir o número de furos necessários. Na maioria dos casos, estes pinos são fornecidos com pressão de ar de diferentes fontes. Desta forma, o tamanho dos furos individuais pode ser ajustado através da pressão dos pinos individuais.

Composto

Extrusão de Compostos é um processo que mistura um ou mais polímeros com aditivos para resultar em compostos plásticos. Podem ser alimentados pellets, pó e/ou líquidos, mas o produto final é geralmente na forma de pellets, para ser usado em outros processos de transformação plástica, tais como extrusão e injeção. O tamanho das máquinas variam de máquinas de laboratório pequeno à extrusoras maiores, fabricando várias toneladas por hora, como o usado por empresas químicas que fazem as resinas base. Normalmente, extrusoras dupla-rosca são preferidas proporcionam melhor mistura/homogeneização com menos temperatura. A maioria têm roscas e cilindros feitos de segmentos de rosca menores (mistura, transporte, descarga e alimentação de aditivo), para que o projeto possa ser alterado para atender as necessidades de produção e de produto. A seleção dos componentes a serem misturados (viscosidades, portadores de aditivos) é tão importante quanto o equipamento. Após a extrusora existe um sistema de granulação para transformar o material em pellets novamente. Além disso, é comum instalar um Troca-Telas entre extrusora e sistema de granulação para filtrar impurezas e, nesse caso, para auxiliar na homogeneização do material.

A BY Engenharia representa a DAVIS STANDARD, empresa norte americana fabricante desses equipamentos. Para maiores informações, entre em contato conosco e/ou clique no logo abaixo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu